17 de jan de 2007

Mercosul vai começar 2007 atrás de solução para seus entraves

Brasília - A lentidão na consolidação de um mercado comum, a insatisfação das economias menores e os recentes conflitos entre Argentina e Uruguai, entre outros fatores, explicitam fragilidades do Mercosul. Mas governos e sociedade civil organizada do Brasil, Uruguai, Paraguai, Argentina e Venezuela, os cinco países membros, continuam apostando na integração e ampliação do bloco.
Iniciativas nesse sentido ocorreram em dezembro, com a instalação do Parlamento do Mercosul, a realização da primeira cúpula social do bloco e uma profunda discussão sobre problemas durante a 31ª Reunião do Conselho do Mercado Comum. Novo impulso deve ser dado logo no início do ano, com a 31ª Reunião de Chefes de Estado do Mercosul. O evento será realizado dia 19 de janeiro, no Rio.
Durante a solenidade de instalação do Parlamento do Mercosul, no último dia 14, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que a iniciativa afastou a idéia de crise no bloco e demonstrou otimismo. Para ele, o Parlamento vai “harmonizar as legislações nacionais em diversas áreas”, além de reunir o “pluralismo político e a diversidade cultural” do bloco e discutir as divergências entre os países.
Enquanto representantes dos governos criavam o parlamento conjunto, representantes da sociedade civil debatiam as funções da nova instituição na 1ª Cúpula Social do Mercosul.
“Muitas vezes, na integração latino-americana, criamos primeiro as instituições e depois [discutimos] a realidade. Isso sempre é um risco. Mas, ao mesmo tempo, acreditamos que esse parlamento vai ser o primeiro espaço de uma certa supranacionalidade, onde os parlamentares terão que debater os interesses da região”, avaliou a uruguaia Cecília Alemany, integrante da organização Social Watch. “Acreditamos neste espaço como uma oportunidade para tentar avançar em tópicos que não avançam de outra maneira”.
O documento final da Cúpula Social, que será apresentado durante a reunião de chefes de Estado, sugere que o parlamento tenha participação igualitária de homens e mulheres e que sua agenda priorize temas de igualdade de gênero, igualdade étnico-racial e direitos humanos. “São as preocupações da sociedade civil e deveriam fazer parte da agenda dos parlamentares”, resume Cecília.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ô, manolo !
Faça comentários relativos ao post. Ok?