27 de jul de 2010

Idolatria ?



Amiguinhos da Casa, outro dia visitando o Bobolhando, um de nossos parceiros, e vi um post interessante sobre “adoração a imagens”. A quantidade de comentários (22, se não me engano) mostra o desconhecimento que há sobre o assunto. Tanto de católicos, como de não católicos. Escrevendo meu comentário, ao post, vi que dava samba! Dava para fazer um post com o tema. E realmente, meu comentário lá ficou grande pra cacete. Então, vamos lá!
Imagens nada mais são do que bonecos feitos de pau, gesso, pedra ou qualquer outro material. De modo que a diferença entre um bloco de pedra e uma imagem é, além da forma, o que representa. Afinal, um bloco de pedra, um toco, qualquer outro pedaço de um material não representa nada.
Muitas passagens bíblicas condenam a feitura de imagens. Exs.: Lv 26,1; Dt 7,25; Sl 97,7; etc. E várias outras onde se faz a defesa da feitura das mesmas, por exemplo: Ex 25,18s; Num 21,8s . Deus não é maluco, não sofre de amnésia, nem tem dupla personalidade. Logo, há uma explicação, até fácil. Deus condena a idolatria, não a feitura de imagens.
Mais uma coisa que dá um maior tumulto: a diferença entre imagem e ídolo. Ídolos são imagens, mas imagens não necessariamente são ídolos. Ídolo é quando se diz que a imagem é deus. Exemplos: o Bezerro de Ouro, Baal. Imagens são como ícones de computador. Quando “clicadas” ajudam o fiel a se aproximar de Deus. Como uma foto que faz você se lembrar duma coisa, pessoa ou situação.
Imagens são usadas desde os primórdios do Cristianismo. Por serem práticas e didáticas. E até porque a maioria das pessoas (inclusive ricos e nobres) era analfabeta. Isso explica a quantidade de imagens, pinturas e afins em igrejas mais antigas.
Outra coisa que atrapalha é o desconhecer da diferença entre adoração (latria) e veneração (dulia). Adorar: prestar culto a; venerar: reverenciar, fazer memória, ter grande respeito. Adorar só a Deus. Na Igreja Católica, por exemplo, se pratica a adoração ao Santíssimo Sacramento. A hóstia consagrada que é Cristo. Já nas igrejas protestantes se louva a Deus, não se adora o Mesmo. Às imagens é feita veneração. Alguém prostrado ante uma imagem não está adorando a mesma. Reverencia o que ela representa. Prostração é um sinal de respeito. Mostra respeito pelo que a imagem representa ou pela história de vida do(a) santo(a). Como um soldado em continência a bandeira do seu país. Ela não é a pátria, mas a representa. Súditos (inclusive protestantes) se prostravam ante seus soberanos e não os adoravam.
Ora, eu respeito muita gente e não me prostro ante a elas, deve estar pensando. Só que mostra respeito doutras formas. Certamente, já viu muitas pessoas, pedindo coisas, prostradas ante imagens. Conversando como se elas fossem pessoas, e isso não é idolatria? Não. Conversar com a imagem pode ser uma projeção e/ou uma personificação. Ex.: pessoas que tratam o carro como se fosse gente. Quanto a fazer pedidos, na verdade a pessoa pede a intercessão do santo representado na imagem. Pois, ele está mais próximo de Deus. Além de fazer parte da Igreja também, no caso a Triunfante. Pedir a intercessão é como pedir uma ajuda ao santo. E como quando se está com um grande problema e se pede a um amigo pra rezar por você. Deus, independente de se pedir a intercessão de algum santo, sempre nos ouve. Mas uma ajuda é sempre bem vinda!  De fato, muitas pessoas, por ignorância, meio que “idolatram” os santos. Ajudando a disseminar a confusão. Mas não o fazem por mal.





Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ô, manolo !
Faça comentários relativos ao post. Ok?