22 de nov de 2006

Galápagos é assim: impressiona à primeira (segunda, terceira...) vista

Evelin Fomin

Elas recebem mais de uma dezena de adjetivos e, ainda assim, é difícil acertar qual deles define melhor as Ilhas Galápagos, no Equador. Uma certeza: é impossível fugir das aulas práticas diárias de Biologia no solo vulcânico que, dois séculos atrás, inspirou Charles Darwin (1809- 1882) a desenvolver sua teoria da seleção natural.

Em Baltra, uma das duas ilhas com aeroporto (o outro fica em São Cristóbal), chegam turistas de todos os lugares - alemães, suecos, japoneses, etc. - que escolheram a opção mais popular de conhecer a região central de Galápagos: de navio.

A recepção bilíngüe dos guias equatorianos é praticamente sobrepujada pelas 'boas-vindas' de cinco leões-marinhos, que não se incomodam com a leva de pessoas histéricas com a ilustre presença.

Os guias insistem: 'Se preocupem em colocar os coletes salva-vidas. Vocês vão se cansar de imagens como esta.' Eles estavam parcialmente certos. Os leões-marinhos estão espalhados aos montes por todas as ilhas visitadas - mas ninguém se cansaria de vê-los.

Eleito pela Unesco, em 1979, Patrimônio Natural da Humanidade, o grupo de ilhas vulcânicas é composto de 13 grandes ilhas, 6 menores, 40 ilhotas e ainda 200 rochas sedimentares, com idades entre 1 milhão e 5 milhões de anos, que ficam a mil quilômetros do continente. As ocidentais Isabela e Fernandina - cobiçadas pelos ecoaventureiros atrás de um bom mergulho com tubarões - têm cerca de 1 milhão de anos.

Quem prefere ficar em terra costuma escolher a cidade de Puerto Ayora, em Santa Cruz, a principal ilha do arquipélago, com 16 mil habitantes e repleta de barzinhos, restaurantes e lojinhas simpáticas. Caso da The Red Mangrove Adventure Inn (00--593-5-252-7011; www.redmangrove.com), que conta com inúmeras programações alternativas, como ciclismo e surfe.

AS INEVITÁVEIS TARTARUGAS

As tartarugas gigantes que deram nome ao lugar também são uma atração à parte, especialmente pelo aspecto bizarro e por serem únicas no mundo. Elas se concentram na parte alta da Ilha Santa Cruz e consomem pelo menos 50 tipos de vegetais, além de frutas, e seu peso médio é de cerca de 200 quilos.

Este paraíso sem predadores também é a casa de iguanas terrestres e marinhas, que passeiam entre caranguejos vermelhos enormes, minipingüins e pelicanos, sem medo de serem incomodadas. Os sortudos podem ainda ver flamingos rosados - são somente cerca de 700 na região. E o adeus fica por conta das fragatas magníficas, aves cujos machos inflam o peito vermelho, orgulhosos, para convidar as fêmeas para o acasalamento. Parece tudo combinado para turista ver. Ainda bem que não é.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ô, manolo !
Faça comentários relativos ao post. Ok?